Fernando Diniz defende estilo de jogo e saída com toques curtos: “Mais sucesso do que fracasso”

Técnico do Fluminense participa do “Bem, Amigos!” e também recorda trabalho no São Paulo

O técnico Fernando Diniz foi o convidado do “Bem, Amigos” desta segunda-feira. Conhecido pelo de jogo compacto, com saídas de bolas com toques curtos, o treinador do Fluminense defendeu o estilo, que acabou apelidado por “Dinizismo”.
Ao ser questionado sobre a possibilidade de rifar a bola em momentos de pressão, o comandante afirmou que o Flu acabou de fora da final da Copa do Brasil por apostar nos chutões na saída de bola.

– Tem que saber. Do jeito que eu coloco para jogar e treinamos, eu uso uma metáfora. Igual o cara que anda na corda bamba, se eu for andar eu vou cair. Mas o cara que anda constantemente vai ser um espetáculo, vai ser um show. A gente treina para fazer aquilo exaustivamente. E a tomada de decisão é do jogador. Quanto a rifar a bola, nós perdemos a classificação para o Corinthians por duas bolas que não precisávamos. Uma que o Michel Araújo chutou sem precisar. E uma que o Fábio chutou com chances de passes.

“Temos mais sucesso do que fracasso”, afirma Diniz, ao comentar o “Dinizismo”

Ao recordar o trabalho no São Paulo, Diniz citou fatores extracampo para que o time não conquistasse o Campeonato Brasileiro. 

– O São Paulo perdeu o campeonato por outros fatores (não pelo estilo de jogo). Acho mais justo falar que chegou onde chegou por jogar daquele jeito. Acho que o time teve problemas relacionais. O São Paulo era harmônico, não era só um trabalho do treinador. Mas quando o castelo desmoronou, todo mundo sentiu. Quem entrou tinha criticado muito o trabalho dos jogadores. O momento era de pensar no São Paulo. Minha postura hoje, talvez, seria diferente. Mas não foi – disse o treinador, ao citar a mudança na diretoria.

Fernando Diniz

Comparações com Guardiola

“Maneira de ele (Guardiola) ter a bola é o oposto da minha, Diniz”

– Por gostar de ter a bola, obviamente as pessoas me associam ao jeito do Guardiola jogar, mas para por aí. Porque a maneira dele ter a bola é quase o oposto da minha. É um jogo mais posicional, que se chama hoje. Os jogadores respeitam muito a posição e a bola vai no espaço. Os jogadores obedecem um determinado espaço para ficar e se movimentar dentro daquele espaço, e a bola chega até esse espaço. O jeito que eu vejo futebol nesse momento é quase que “aposicional”. 

– Os jogadores conseguem migrar mais de posição, o campo fica mais aberto e o jogo fica mais livre. Em determinados setores do campo a gente se aproxima. Um é um jogo mais preso dentro das posições e o outro mais livre – afirmou.

Que tal, comprar camisa do Fluminense ? Confira nossa Loja do Capita.

Camisa do Brasil – Home – Copa do Mundo 2022 Torcedor

Seleção Brasileira se apresenta para amistosos

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest